> Artigos > Realmente estamos sabendo inovar?

Realmente estamos sabendo inovar?

Diversas empresas estão adotando o conceito de inovação, seja através de um grupo de funcionários da empresa ou com a construção de uma nova área de negócio dedicada ao tema. Não importa o modelo que está sendo adotado, mas a questão é: Será que de fato estamos sabendo inovar de forma eficiente ou estamos apenas agindo por impulso seguindo a moda do momento de forma desestruturada e gastando dinheiro com “tentativas” desesperadas?

Algumas habilidades são necessárias quando o tema é inovação, como ter pensamento mais abstrato, conhecimentos aprofundados no tema envolvido, alto nível de curiosidade, incomodo com o cenário atual e acima de tudo estar aberto a correr riscos e saber lidar com eles. Claro que essas habilidades podem ser desenvolvidas através de processos e ferramentas específicas mas a efetividade aparece apenas com muita prática e mesmo assim, é comum termos falta de efetividade e pouco resultado concreto.

Antes de continuarmos, é importante deixar claro que inovação não se ensina, mas é possível desenvolver uma mentalidade aberta a receber novas ideias, através de um ambiente preparado que permita a aplicação livre de aprendizado por conta das pessoas. A inovação é um resultado cultural e não uma habilidade individual e sua aplicação prática é fundamental para seu desenvolvimento, isto é inovar!

Processos de inovação requer iterações constantes, por exemplo o desenvolvimento de protótipos baseados em conceitos de MVP (Minimum Viable Product), que caso seja detectado qualquer erro ou falha, deve ser descartado imediatamente, reduzindo custos e tempo, mantendo apenas o que foi gerado de positivo e sendo agregado ao que foi realizado anteriormente.

A seguir, vamos ver seis pontos que considero fundamental para que processos de inovações possam ser gerados de forma natural:

  • Cultura do erro e acerto.
    O segredo é sempre aprender com os erros para não os repetir e sempre tentar melhorar os acertos, agregando valor no que está sendo desenvolvido.
  • Alto nível de confiança.
    Não é possível inovar sem ter confiança de todos por mais que algumas ideias possam não fazer o menor sentido no primeiro momento, porém com a prototipação é possível ter uma visão mais concreta dos conceitos e ideias sugeridas. Caso o resultado não seja o esperado, deve ser descartado ou adaptado com as possíveis melhorias necessárias. Muitos produtos que utilizamos em nosso dia a dia, foram surgidos a partir de uma ideia que não fazia muito sentido quando idealizado, por isso não descarte nenhuma delas, mas estruture e compartilhe, uma vez que no futuro pode se tornar um brilhante produto ou serviço.
  • Diversifique.
    Por mais que sua empresa atue em um nicho específico, pensar em diversificar é importante. Sem dúvida é importante melhorar produtos ou serviços já oferecidos, mas também pode ser interessante analisar a possibilidade de atuar em outros ramos de atividades, garantindo novas fontes de receitas, porém é necessário sair da zona de conforto. Caso sua empresa pense em diversificar sua atuação, Blue Ocean (Oceano Azul) e Canvas da Proposta de Valor são excelentes ferramentas capazes de trazer uma visão mais concreta de possibilidades de atuação em que outras empresas ainda não atuam, por exemplo.
  • Inove com um papel em branco.
    Nunca tenha como base da inovação ideias existentes ou de seus concorrentes. Analise o problema ou um desafio e pense em possíveis soluções inexistentes e trabalhe com a possibilidade de não dar certo, pois se for para fazer mais do mesmo, deixe que o mercado faça.
  • Se o mundo te der um limão, faça uma mousse de limão. Já tem muita gente fazendo limonada.

  • Inovação é combinar.
    Não se iluda em acreditar que entrando em uma sala de inovação com um papel em branco você sairá com um produto ou serviço tão inovador que irá revolucionar o mercado. Isso até pode acontecer, mas é preciso entender que algo inovador, na maioria das vezes, acontece atrás de um combinado de fatores ou ideias geradas e que quando consolidadas geram valor agregado, portanto cada MVP criado, considere como uma vitória. Outro ponto importante é pensar na inovação de forma escalável, sempre com a possibilidade de potencializar ou evoluir o que está sendo desenvolvido, não havendo limites ou tamanhos previamente definidos.
  • Abuse de ferramentas.
    Ferramentas são importantes para auxiliar o processo da inovação, mas não deve um fator obrigatório, uma vez que apenas um brainstorm é capaz de gerar ideias inovadoras e revolucionárias, mas existem situações em que o auxílio de ferramentas é fundamental. Algumas ferramentas que recomendo são: Design Thinking, Canvas, Canvas da Proposta de Valor, Os Seis Chapéus do Pensamento e Oceano Azul.

O processo de inovação é fundamental em qualquer empresa, mas é importante que seja feita de forma madura e estruturado, garantindo resultados diferenciados capazes de trazer uma nova visão ao mercado gerando valor agregado ao cliente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *